Uma carta de amor para aqueles que lutam contra a depressão crônica

Para ser honesto comigo mesmo, nunca pensei que voltaria aqui. Neste lugar, esse sentimento. Grudou. Energia estagnada ancorando em meu coração e alma. É como caminhar em águas lamacentas: é exaustivo e parece que nunca vai acabar.

Fui diagnosticado com Depressão Crônica por volta dos nove anos – um diagnóstico, eu percebi, que ignorei. Não tenho certeza do que foi. Nunca me senti envergonhado da minha doença mental, não era algo que eu pudesse ter causado e eu sabia que não definia quem eu era. Mas acho que escolhi ignorar a parte “crônica” do meu diagnóstico porque desejava nunca mais ter aquela sensação. Eu estava constantemente absorvendo os raios luminosos do sol glorioso – não queria ser catapultado de volta para os sussurros frios da escuridão. Esqueci que é como um vulcão: pode ficar adormecido por meses e talvez até anos, mas sempre terá potencial para entrar em erupção. Só assim o dragão adormecido acordou dentro de mim e eu nem percebi.

Eu me via ficando na cama um pouco mais a cada manhã, pulando minhas aulas de escultura matinais no início e, em seguida, ioga logo em seguida. Não tirei o pijama imediatamente e faria minha rotina de cuidados com a pele na hora do almoço. Eu teria que me convencer a trabalhar, levando horas para me convencer a fazer coisas que eu amava. Parei de ler e consumi séries no conforto venenoso do meu edredom: para nunca mais sair.

Fiquei muito zangado comigo mesmo no início. Eu não conseguia entender por que não conseguia fazer as tarefas mais simples. Coisas que eu amava, que nunca deixavam de trazer um sorriso ao meu rosto, me deixavam me sentindo entorpecida e vazia. Mas acredite em mim, ficar com raiva de mim só piorou as coisas.

Então, ouça que estou. Escrever sobre isso, o que é reconfortante. Mas, sinceramente, não estou aqui para me consolar. Eu poderia fazer isso com a segurança de minhas sessões de terapia. Eu queria te confortar.

Vocês. Seja você quem for: seja jovem ou mais sábio. Masculino, feminino, não binário ou não conforme com o gênero. A depressão não discrimina a maneira como a sociedade o faz. Fica em seu cérebro até transformar suas inseguranças reprimidas em seus maiores pesadelos. Isso não para até que você tenha, em seu coração, o potencial para odiar a si mesmo. Por favor, não seja uma pessoa bonita. Sim, chamei você de linda porque é isso que você é. Bela. Por quê? Sua depressão lhe disse o contrário? Claro que sim. Isso é o que ele faz. E faz um bom trabalho.

Mas, por mais impossível que pareça, você não precisa ouvir. Por favor, seja gentil com você mesmo. Roma não foi construída em um dia e seu coração não será liberado em uma tentativa. Isso levará algum tempo. Você vai cair às vezes, é inevitável. Mas você nunca irá falhar, porque se você falhar, isso significa que você desistiu da vida fenomenal que o universo idealizou para você.

Você não falhou. Você não falhará. Você ainda tem ar em seus pulmões? Então o universo ainda não acabou com você. Você não precisa ficar neste buraco, você pode escolher se dar um abraço e dizer a si mesmo que tudo ficará bem. Você é o único que pode decidir se vai deixar a depressão tomar conta ou não. Depois disso, fica mais fácil. A parte mais difícil é aparecer para você. A partir daí, apoie-se nos outros: converse com amigos, pais e terapeutas. Dê uma caminhada se não conseguir correr. Suba em um tapete de ioga ou dê um passeio de bicicleta. Coloque uma máscara para a pele ou cozinhe para si mesmo, um copo de vinho na mão. Leia um livro que seja reconfortante.

Lembre-se de como era antes deste momento. Que havia luz do sol antes da tempestade e que haverá luz do sol novamente. Você apenas tem que decidir perseguir aquele arco-íris. Seja gentil, paciente e gentil com você mesmo. O dragão voltará a dormir: seja por um mês, um ano ou alguns anos – ele vai dormir.

Isso é apenas uma coisa. É uma coisa que temos que administrar. Não há cura e acho que era isso que eu esperava no início. Sim, é um trabalho árduo, mas podemos fazê-lo. Você é um dos sobreviventes mais fortes do universo.

E eu acredito em você. Por favor, acredite em você mesmo.

@via

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *